Febre de sábado

Sábado à tarde um café,
um poema à queima-roupa
no livro das faces, uma
fatia de pão e mais uma
visita aos argumentos
de Marx, Bakunin e
Krishnamurti, os velhos
problemas não resolvidos
pelos hippies. O sol bem alto
sobre a cidade por onde
andam meus óculos
de aros dourados por
onde andam os amigos
do tempo de quem cria?

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Poesia

Meio que uma oração pagã

Deixe um comentário

Arquivado em Poesia

Forever alone

Um homem caminhando só
é um homem caminhando:
assim falou Zoroastro pé
ante pé na soleira do
templo, após tantos
caminhos percorridos
pra lá e pra cá.
E pra bom entendedor
meia verdade é o
bastante se é que me
entende, ele disse
também.

2 Comentários

Arquivado em Poesia

Num café de Paris

Num café de Paris,numa
noite amena, homens de
seu tempo confabulam.
Em breve,todos perderão
a cabeça num carnaval
inesquecível. Mas
ainda é cedo, a noite
amena, os homens de
seu tempo. E o povo
que não confabula,
não sabe de Péricles
e a essa hora já foi
dormir, sem café, sem
pão, sem brioches.

8 Comentários

Arquivado em Poesia

Metafísica banguela

A carne dos dias como
se mastiga se a alma
não tem dentes.

Deixe um comentário

Arquivado em Poesia

O futuro é uma bússola desvairada

O futuro é uma bússola
desvairada, norte pra
todos os lados. Se vais
ter com o futuro, não
te esqueças de levar uma
lanterna: pra quem
sabe a verdade.
Se vais ter com o
futuro, não te esqueças
de levar o chicote:
caso ele peça pra ser
domado.

2 Comentários

Arquivado em Poesia

Avatar

Espelho
de andar
através,
mirar por
detrás da
moldura.
Espelho
que fura:
o que vê.

4 Comentários

Arquivado em Poesia