Um anjo a pé

Tinha descuidos de poeta
inspirado, não a fé na
poesia. Traços de poeta
ingênuo, não a plenitude.
Cabeça-febre, pernas-mãos
em desregrada epifania: qual
Rimbaud? Qual o quê?
Qualquer nota entre o
gesto a fala o estupor o
cálculo de que já nos
falava Aristóteles. Vivia
fora do lugar do tempo,
seu anjo gauche sem asas,
por aí a espiar contar as
coisas os emblemas das
coisas.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Poesia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s