A voz do oráculo

Nem pense em cruzar a

linha sutil riscada no mapa

sutil do tempo sutil na

cabeça de cada um: nem

queira saber o quanto,

é bem fundo esse oco bem

fundo por onde se perde

a voz a consciência o controle

esse largo bem fundo país

de agora. Nem pense em

colocar no bolso esse brilho

no bolso essa merda no

bolso e flanar como quem se

compraz em flanar como quem

decide flanar e fodam-se as

circunstâncias. Nem pense.

Nem por um mísero segundo

cogite em pensar nas dobras

e nas possibilidades de um

mísero segundo.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Poesia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s