Odisseu

O mar não sabe de si

nem eu: quem sabe

Odisseu?

.

Foto: fim de tarde no atracadouro da Ilha dos Frades, Baía de Todos os Santos.

Anúncios

7 Comentários

Arquivado em Poesia

7 Respostas para “Odisseu

  1. .

    Quem sou eu. Nem um mero deus. Até qunado este mar da tranquilidade?

  2. akira yamasaki

    do ninho de tsunamis
    um escapou e saiu pra passear
    das desgraças que semeou
    uma ficou em particular
    fukushima e a poesia inútil:
    crianças diante do mar.

  3. Bernardo

    meu poeta preferido,
    continuo lendo, aprendendo, sofrendo, rindo, vivendo seus poemas.
    um abraço

  4. Bom demais voltar a ler seus versos

  5. Chorik

    Estaria você se especializando em minipoemas gigantescos?

  6. I.Moniz Pacheco

    O mar e seu humor instável…

  7. Nílson, esses pequenos poemas merecem mesmo o título de gigantescos, como lembrou o Chorik. Adorei os poemas do Letras, além de partilhar do entusiasmo da Amélia. Acho que o sonho maior dela é ver o Letras tão cheio de poemas quanto possível. Mas a turma anda meio devagar, inclusive eu mesma.
    Beijo beijo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s