Por aí

Ando pelo meio-fio meio

sem jeito para o próximo

passo, quem sabe cair da

calçada para a rua – buraco

do mundo, rua de enxurrada

de levar tudo pra longe, bem

longe, onde tudo termina

perdendo senso, direção,

fim. Quem sabe cair da

calçada para dentro de

casa essa casa oca, ideia

de casa plantada na terra

de ninguém, mas ninguém

mesmo: só eu, no meio-fio,

entre essas e outras curiosas

hipóteses.

Anúncios

6 Comentários

Arquivado em Poesia

6 Respostas para “Por aí

  1. Tem dias que fico assim, só no meio-fio, sem ter porém a beleza do olhar do poeta. Então sofro sem frente nem verso.

  2. Andar no meio-fio. Cambaleante. Com a poesia numa das mãos.

  3. maria

    Agora deixarei minha loucura em desequilíbrio no meio-fio. Adorê.
    Maria

  4. Bernardo

    receba, meu cambaleante poeta, um abraço que lhe pode ser util no pé-ante-pé no meio-fio.

  5. adorei. caminhamos no meio fio, na corda bamba, no fio da navalha.
    bjo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s