Diamante

Todas as histórias aliás eu vivi

como numa seqüência de teatro

ingênuo: com um certo modo

histriônico e exagerados,

caricatos esgares ou efusivas

carícias a pleno palco: todas

as histórias do mundo tão iguais,

parecidas demais com o que

pudesse talvez entreter o

auditório de tanta gente

feliz infeliz a um só tempo.

Todas as histórias condensadas

em um instante, eu as fiz de

pedra mais dura que o duro

coração de palavras apartadas

dos homens. Só assim pude

saber o que era, o que fui, o que

seria: aliás esqueci.

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em Poesia

3 Respostas para “Diamante

  1. maria

    Grande! (me senti lá dentro)

  2. Andréia Paiva

    Bonito, tocante e verdadeiro. Muito lindo, amigo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s