Uma tarde um Natal

Acho que era uma tarde

de dezembro como todas as

tardes costumam ser quando se

espera pelo fim, o fim de

dezembro e o novo, e o novo.

Acho que nos deixamos levar

por um excesso de ironia, talvez,

e não fomos às compras e muito

menos ficamos assim, sentimentais.

Era uma tarde dessas de

dezembro e zombamos

da vida como quem olha de dentro

dela, não de fora. E desse

ângulo pareceu evidente

que a tristeza era o artigo luxuoso

de todas a festas. E rimos disso

também: bobagem também.

E nos demos conta de que era Natal,

mas essa história toda

logo passaria.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Poesia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s