Bem no meio da testa

-..-IICManager-Upload-IMG--RioDeJaneiro-sartana

Agora mesmo acabo de acertar,

bem no meio da testa, um
fantasma de barbas longas e
brancas, cabelos longos e
brancos . Aí ele desabou no
vazio, foi só o que vi. Papai
Noel, Karl Marx, Walt Whitman,
o mago da Terra Média, o
Conselheiro ou aquele Deus
das telas? Não sei dizer. Mas
garanto, foi um tiro certeiro,
bem no meio da testa.

2 Comentários

Arquivado em Poesia

Os números de 2014

O WordPress me mandou essa cartinha simpática. Prum blog que tá parado, nada mau receber 660 visitas em um ano. Até me animei a voltar a esse bondinho. Vou pensar seriamente!!!

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2014 deste blog.

Aqui está um resumo:

Um bonde de São Francisco leva 60 pessoas. Este blog foi visitado cerca de 660 vezes em 2014. Se fosse um bonde, eram precisas 11 viagens para as transportar.

Clique aqui para ver o relatório completo

Deixe um comentário

Arquivado em Poesia

O crocodilo chora

O crocodilo chora

2 Comentários

Arquivado em Poesia

Arte da guerra

Só não sei

perder

ainda mas

prometo

aprender

com a prática.

Deixe um comentário

Arquivado em Poesia

Bulbo

Deitado: o coração não para. Em

pé, caminhando, correndo: o coração

coração coração. De ponta-cabeça:

coração na boca, coração no chão.

O amor nada tem a ver com esse

bulbo de carne-e-sangue, o coração

é um bulbo de carne-e-sangue sem a

menor ideia do que seja o amor.

Sangrando: o coração não para de

bombear, ninguém controla o coração

até que lhe falte: sangue, carne. O coração

coração coração nem ama nem  pensa

nem chora nem finge nem sonha nem

nada. Nem para.

2 Comentários

Arquivado em Poesia

Horáculos

Treinamento pra ver-entre, algo

similar a ver-sob, às vezes não

se engane, é difícil mesmo ver-ante:

uns arrancam os olhos outros

fixam os olhos em superfícies

transparentes até que algo

aconteça nada acontece por um

tempo indefinível, às vezes nada

por toda a vida e então. E tem

aqueles que a rigor nada fazem, só

tropeçam naquilo que nem é, ainda

nem se pode ter certeza de que

virá a ser: entre-sob-ante. E há,

enfim, os que só enxergam

estrelas e nem distinguem

as que já se foram. Será destes

o reino dos céus?

Deixe um comentário

Arquivado em Poesia

O pensador o que pensa

Quando você para pra pensar

você engata uma pose de “O

pensador” de Rodin ou faz cara

de paisagem feito a Mona Lisa?

Você para o pensamento como

um guru indiano ou só pensa

em macacos como nosotros?

Você pensa logo existe ou deixa

essa parte pra depois do almoço?

Quando se dá conta de que andou

pensando você para pra pensar

no que andou pensando ou você

prefere não pensar nisso? Você

pensa duas vezes antes de parar

ou você simplesmente diz: pronto,

parei?

3 Comentários

Arquivado em Poesia